28 de abril de 2017

Intersetorialidade e desenvolvimento econômico

25cd87b0882b54f28df543a2507f12cc_wilton_malta___2016_6000x4000x0Vivemos num mundo globalizado. As distâncias geográficas diminuíram. O fluxo de mercadorias liga povos distantes, de culturas diferentes, com línguas diferentes, os quais dificilmente manteriam um contato pacífico se não fosse por meio comércio. Produtos eletrônicos chineses cruzam os mares e chegam ao Brasil. A soja brasileira atravessa o Oceano Atlântico e chega a quatro continentes. Mas a globalização é algo além de geografia e economia; a intersetorialidade é uma marca do mundo contemporâneo. Setores da economia e da sociedade trocam informações e experiências num fluxo constante.

A esfera púbica é cada vez mais fluída e heterogênea e pode ser dividida em três setores básicos: o Estado, caracterizado pelo governo e pelo exercício do poder político; o mercado, caracterizado pela produção e consumo de mercadorias; e as organizações da sociedade civil, preocupadas em articular os cidadãos em busca do bem comum.

Num mundo globalizado como o nosso, os três setores são interdependentes e devem estar em constante diálogo. As obras do Estado são feitas usando dinheiro que vem dos impostos, os quais não existiriam se não fosse o mercado, e o objetivo de todo esse esforço é atender as demandas da sociedade civil. É preciso aprimorar os canais de diálogo entre as esferas do Estado, do mercado e da sociedade civil. Pensando nisso, entre outras ações, a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do estado de Alagoas (Fecomércio AL) organizou o Encontro de Prefeitos.

A aproximação dos gestores públicos municipais com a entidade que representa as atividades de comércio de bens, serviços e turismo é uma excelente oportunidade de estreitar os laços entre aqueles que administram os recursos públicos e o principal responsável pela produção do Produto Interno Bruto (PIB) alagoano. Não é demais lembrar que o setor é responsável por 72% do PIB.

A Fecomércio acredita que a parceria com as prefeituras é um passo importantíssimo para a formulação de estratégias de desenvolvimento intersetoriais e, justamente por isso, mais sustentáveis. Essa parceria tem como fórmula a troca de experiências e criação de uma agenda que contemple as necessidades dos municípios alagoanos e os anseios dos investidores que neles residem. Um debate franco, transparente e republicano é o que a Fecomércio deseja. “Para o Bem e Para a Prosperidade”, como bem preconiza o lema do nosso Estado.

Wilton Malta é presidente da Fecomércio AL

28 de abril de 2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *