16 de janeiro de 2013

CNC: comércio pode fechar 2012 com alta de 9,1%

Em novembro, o volume de vendas no comércio varejista brasileiro cresceu 0,3%, em comparação com outubro, de acordo com a Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), do IBGE, divulgada hoje. A alta no mês foi puxada pelos ramos de artigos de uso pessoal e doméstico (+4,2%) e de tecidos, vestuário e calçados (+2,1%). O varejo ampliado, que apropria os resultados do comércio automotivo (-5,0%) e materiais de construção (-0,9%), acusou variação de -1,2% na mesma base comparativa.

A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) estima que o volume de vendas do varejo brasileiro em 2012 registre expansão de 9,1%, puxado por móveis e eletrodomésticos (+12,3%) e artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (+11,0%). Para dezembro do ano passado, a projeção é que o varejo feche o mês com recuo de 0,4%. Para 2013, a previsão é de crescimento de 7,5%.

Fabio Bentes, economista da Confederação, explica que, nos últimos meses, o comércio tem sido impactado pela conjuntura favorável do mercado de trabalho, com expansão da massa real de rendimentos (+8,3% sobre outubro de 2011, na comparação anual). “O aumento de 8,2% na concessão de crédito ao consumidor, por sua vez, evidencia maior demanda por empréstimos e financiamentos. As taxas de juros encontram-se 9,9 pontos percentuais abaixo do patamar verificado em novembro de 2011, e o prazo médio de quitação dos recursos, atualmente em 626 dias, é 5,2% maior no mesmo período”, diz Fabio.

16 de janeiro de 2013