13 de setembro de 2012

Farmácias vão receber medicamentos vencidos

A campanha nacional, encabeçada pela Agência Nacional de Saúde (Anvisa), para coletar medicamentos vencidos no Nordeste vai iniciar pelos estados de Alagoas, Sergipe e Pernambuco. Um dos critérios para a escolha dos estados é ter um incinerador. Inicialmente, a campanha começará com sete pontos de coleta em Maceió. A proposta é que, na sequência, Arapiraca tenha os postos de coleta.

A iniciativa atende a uma determinação da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) no que se refere à logística reversa. É uma forma de proteger o meio ambiente quando a sociedade dá o destino correto aos medicamentos não mais utilizados. A Anvisa quer constatar ainda a quantidade de medicamentos das residências brasileiras que vão para o lixo.

Ontem (12/09), o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Produtos Farmacêuticos do Estado de Alagoas (Sincofarma), José Antonio Vieira; o diretor da Vigilância Estadual de Alagoas, Paulo Bezerra; a gerente do Setor de Medicamentos da Vigilância Estadual, Ionara Acioli, e a coordenadora da Vigilância Sanitária Municipal, Paula Lacerda, reuniram-se na sede da Vigilância Sanitária Estadual para discutir as orientações da Anvisa.

Ainda este mês, haverá uma reunião em Brasília para o acordo setorial que envolve o setor produtivo (indústria, varejo, atacado), setor público, a exemplo do Ministério do Meio Ambiente, e entidades que representam os farmacêuticos.
Segundo Vieira, a reunião vai nortear vários pontos a fim de que a campanha possa ser executada. “O estabelecimento precisa dispor de espaço físico para alojar os coletores em ambiente aberto e seguro”, explicou. Ele afirmou que é necessário esclarecer a quem vai arcar com os custos para que os medicamentos sejam incinerados corretamente. Essa e outras dúvidas deverão ser esclarecidas na reunião proposta pela Anvisa.

De acordo com Ionara, o Sincofarma deverá ficar à frente do processo em Alagoas. A entidade é quem deverá apontar os pontos de coletas que deverão ser espalhados estrategicamente pela cidade.

13 de setembro de 2012

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *